O que é o HPV e como tratá-lo

O HPV é um vírus sexualmente transmissível a partir do contato íntimo, responsável pela maioria das infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) das regiões anal e perianal.

A maioria das pessoas não desenvolve sintomas. A minoria que desenvolve pode manifestar a doença na forma de verrugas/condilomas anogenitais ou de alterações celulares microscópicas detectadas através dos exames preventivos.

As verrugas podem ser tratadas de formas diversas, dependendo de cada caso.

O exame preventivo ou citologia anal é importante, pois alguns tipos de HPV geram alterações celulares que predispõem o desenvolvimento de câncer de ânus, e seu diagnóstico precoce é a melhor forma de prevenção. Ele consiste na coleta indolor de células do ânus para análise microscópica. É realizado em pessoas que tenham maior risco de desenvolver infecções por esses tipos de HPV, como, por exemplo, pessoas que vivem com HIV, imunocomprometidos, pessoas que praticam sexo anal receptivo ou com histórico de outras ISTs anorretais, pessoas com útero e preventivo ginecológico alterado.

Sendo encontradas alterações na citologia anal, a avaliação deverá ser complementada com a colposcopia anal, um exame realizado também no consultório. Neste exame utilizamos um microscópio (o colposcópio) para examinar a região anal em busca de lesões que, caso sejam encontradas, serão biopsiadas e tratadas durante o próprio exame.

Dra. Clara Assaf

Coloproctologista

CRM 1051350

Colposcopia: Você sabe o que é este exame?!

Colposcopia vem do latim “colpo” (colo) + “scopos” (olhar), ou seja, um nome bonito para dizer que “olhamos o colo”. Nesse caso, o colo do útero.

Esse exame é feito como uma espécie de complemento do exame papanicolau ou preventivo, quando esse vem alterado.

Colocamos o “bico de pato” (ou espéculo) como se fosse coletar um preventivo e com o auxílio do colposcópio (que é como um microscópio) vemos o colo do útero aumentado.

Durante essa observação, colocamos duas soluções: ácido acético 3-5% e a solução de lugol (ou iodo).

Essas soluções pintam o colo uterino de maneiras diferentes, e, se existem lesões, as cores mudam.

Assim, conseguimos definir se é preciso ou não fazer uma biópsia dirigida.

A colposcopia então serve para aumentar a chance de diagnosticarmos precocemente uma lesão de colo, vagina e/ou vulva para que possamos tratar antes de virar algo grave, como um câncer.

Dra. Vanessa Apfel

Ginecologista

CRM 1044150